Em alusão ao Dia Nacional de Combate a Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, a Câmara Municipal de Fortaleza realizou nesta quinta-feira, 18, audiência pública sobre a revisão do Relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) apresentado em 2011, que investigou a situação da Capital cearense em relação da temática. O debate colocou em pauta o mapeamento da cidade em relação à exploração sexual infanto-juvenil, e como a problemática vem sendo tratada pelos poderes públicos.

A vereadora Eliana Gomes se emocionou ao relatar os casos da CPI, durante a audiência.

A discussão evidenciou os dados coletados pela CPI da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes da CMFor no ano de 2011, que identificou 74 pontos de exploração na Capital. A vereadora Eliana Gomes (PCdoB), relatora da CPI à época, evidenciou a importância o trabalho realizado pelo Legislativo e como necessidade de uma ação integrada entre as diversas esferas de poder. A parlamentar destacou os problemas enfrentados nas investigações e as ameças sofridas durante o processo, pois a identificação dos pontos de exploração sexual, segundo Eliana Gomes, envolve “pessoas poderosas”.

Nagyla Drumond, socióloga e coordenadora da pesquisa de campo da CPI da Exploração Sexual da CMFor,  destacou a relação do problema com a situação de vulnerabilidade social, frisando que o público alvo da pratica de exploração são “meninas pobres e negras”. Em seu relato das experiências em campo, Nagyla Drumond evidenciou a “naturalidade” como os explorados ofertam os serviços ao clientes em potencial, repudiando assim a falta de medidas efetivas no combate a prática da exploração sexual de crianças e adolescentes

O relatório, como apontou a socióloga, identificou pólos de “consumo” externo e interno da exploração sexual de crianças e adolescentes em vistas a bares, restaurantes, pousadas, hotéis, além ruas e avenidas da Capital. Compreendendo a Orla de Fortaleza da Praia de Iracema à Praia do Futuro foram identificados 21 pólos de exploração sexual, dentre os bairros de Fortaleza a Barra do Ceará foi apontada como a localidade com mais pontos de exploração, com 22 locais mapeados.

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da CMFor, vereadora Larissa Gaspar (PPL), reforçou a importância do momento para fortalecer a rede de combate à exploração sexual de crianças e adolescentes, além de lançar novos desafios ao Parlamento e demais esferas de Governo. Dentre os encaminhamentos do debate está a formação de um grupo de trabalho, com a realização de Fórum integrado. Inicialmente, como colocou Eliana Gomes, a ação seria voltada para a Barra do Ceará e estendida para as demais localidades.

O debate contou com a participação dos vereadores Emanuel Acízio (PRP) e Marília do Posto (PRP); da coordenadora de gestão escolar da Secretaria Municipal de Educação, Lucivalda Bacelar; da conselheira tutelar da Regional IV, Alanete Venâncio; o tenente coronel da Polícia Militar do Ceará, Clodoaldo Jansen Braga, da Coordenadoria Operacional da SSPDS.

Fonte: CMFor